Wadson Regis

Campanha eleitoral não é aprendizado

Por Wadson Regis, do site AL1 18/08/2022 09h09 - Atualizado em 18/08/2022 10h10
Campanha eleitoral não é aprendizado

Quando você não sabe a hora de trocar o jogador o time morre. O primeiro reflexo é que a emoção da disputa acaba.

A política é uma selva. Tem bicho de toda espécie, com variados tipos de veneno. É importante saber que os leões que não são reis são os mais perigosos, porque suas posições são instáveis e facilmente roubadas. Neste caso é preciso saber que a decisão de avançar ou sair da disputa não pode ser tardia.

A política também é um negócio e no mercado às vezes chegamos numa encruzilhada e a mudança de rota, rumo ou estratégia se torna obrigatória.

Quando um treinador não sabe a hora de trocar o jogador o time morre.

Ainda sobre a selva (política), o (rei) leão sabe, antes de todos, que é chegada a hora de abdicar do trono. Ele sente o cheiro do fim e sente o próprio fim. Se escolher não seguir seu instinto, sua queda será vergonhosa.

Campanha eleitoral não é aprendizado. Se fosse, JHC seria o fiador do pleito, Arthur Lira não estaria nas cordas, Renan Filho teria 90% de intenção, Rodrigo Cunha não teria trocado o PSDB pelo UB, Alfredo Gaspar teria buscado um lugar pra chamar de seu, João Caldas seria um dos mais votados.

Na busca pela liderança o cenário está esquisito.

Collor é Bolsonaro (não era).

Paulo é Lula (não era).

Rodrigo é dependente (não deveria ser).

Rui é uma incógnita (não deveria ser).

Assim... quem será o Rei Leão? A selva sempre precisa de um líder, mas o trono não trás o respeito com ele. O líder tem que fazer por merecer. Mas aí há um problema futuro para esta selva política: os dois verdadeiros líderes estão no mesmo galho.

A política pune. IMPONDERÁVEL!!!